Inserção Social

O PPGFAR está envolvido em alguns projetos de inserção social:

Projeto de pesquisa “Ações multidisciplinares para melhoria da qualidade de vida de idosos residentes em asilos ou lares da região metropolitana de Salvador” - coordenado por Dra. Darizy Flávia Vasconcelos, financiamento FAPESB. O projeto tem como objetivo coletar dados sobre farmacoterapia e realizar ações multidisciplinares envolvendo diferentes profissionais da saúde para melhoria da qualidade de vida desses idosos.

Projeto de pesquisa ”Efeitos neuropsicológicos e na saúde da população de duas comunidades expostas a metais pesados” coordenado por Dr. José Antônio Menezes, financiamento FAPESB. O Projeto utilizou a abordagem participativa de estudos em comunidade, denominada Abordagem Ecossistêmica (Ecohealth Approach). Nesta investigação, buscou-se o envolvimento das comunidades de Santa Luzia e Cotegipe em Simões Filho (Bahia) onde foi avaliado exposição, realização de exames laboratoriais, campanhas de educação ambiental e de higiene pessoal (Saúde da mulher),  avaliações neuropsicológicas e reuniões com as comunidades em conjunto com representantes dos poderes públicos do município de Simões Filho (Secretário de Meio Ambiente, representante da Secretaria de Educação, Secretário da Agricultura e da Indústria e Comércio) para comunicar os principais achados, fazendo atividade de comunicação de risco. Este projeto obteve impacto social direto nas comunidades uma vez que a renovação da licença das indústrias de ligas de ferro-manganês foi condicionada a revisão dos estudos realizados pelo grupo de pesquisa na região.

Como um dos espaços de interação do PPGFAR com a sociedade, temos o Laboratório de Análises Clínicas e Toxicológicas da Faculdade de Farmácia (LACTFAR). Este laboratório desenvolve atividades de extensão articuladas com ensino e pesquisa. São atendidos em média 150 pacientes por dia, encaminhados por unidades do Sistema Único de Saúde (SUS), para a realização de exames laboratoriais de baixa, média e alta complexidade, nas áreas de bioquímica e hormônios, biologia molecular, imunologia das doenças autoimunes, imunologia das doenças infecciosas, hematologia, microbiologia, micologia e parasitologia. As demandas de atendimento do LACTFAR contam com a participação de estudantes de graduação e Pós-Graduação do PPGFAR. 

Diversos projetos de pesquisas são desenvolvidos com a participação dos usuários do LACTFAR e entre estes alguns financiados pelo PPSUS, dando suporte à aquisição de insumos, ampliação e melhoria da infraestrutura, viabilizando a inserção de novas tecnologias para o apoio diagnóstico voltadas para o SUS. Além disso, a interação do PPGFAR com o projeto de extensão do LACTFAR tem como retorno social a humanização do serviço e a melhora da qualidade de vida por meio do diagnóstico precoce e da prevenção de agravos à saúde.

Interfaces com a Educação Básica

O PPGFAR, em 2015, ampliou as suas ações acadêmicas realizando atividades com estudantes de duas escolas públicas (Colégio Estadual Barros Barreto e Colégio Estadual Raymundo Matta) localizadas na região periférica, Subúrbio Ferroviário de Salvador, com a supervisão de discente de Pós-doutorado com bolsa PNPD-CAPES. As atividades se deram com o deslocamento dos estudantes das escolas à academia, a partir de duas excursões trazendo 100 estudantes acompanhados por professores para participarem de atividades da Semana de Farmácia da UFBA; e no sentido inverso, quando pós-graduandos e docentes do PPGFAR foram à escola para exibição e discussão do filme – “O óleo de Lorenzo” para 50 estudantes; Realização da “Campanha Foto Educação – atividades educativas para prevenção de câncer de pele” para aproximadamente 250 pessoas entre estudantes, funcionários e professores da Rede Estadual de Ensino.

Português, Brasil